Aula no Mestrado em Ciências da Religião / UFS

http://protestantismoemsergipe.blogspot.com.br/

No dia 17 de maio fui gratificado em compartilhar conhecimentos com colegas pesquisadores do Mestrado em Ciências da Religião da UFS. Os alunos gentilmente me ouviram falar sobre o PROTESTANTISMO NO CAMPO RELIGIOSO BRASILEIRO, a convite da Dra. Marina Correa, titular da disciplina. A proposta da Dra. Marina para essa disciplina é mediar exposições de representantes dos diversos elementos componentes do Campo Religioso Brasileiro (CRB). Na oportunidade, os alunos ouvem as características distintivas de cada aspecto do CRB, tiram dúvidas e fortalecem suas análises, o que lhe será útil na produção de suas pesquisas específicas até a conclusão do curso, além do aprendizado que ficará para a carreira acadêmica.

Em minha aula, apresentei elementos distintivos do protestantismo quando do seu nascimento na Europa, a expansão até a América e, finalmente, a chegada ao Brasil. No Brasil, lembramos as tentativas de inserção protestante com a França Antártica e o período do Brasil Holandês. A seguir, descorri sobre como se caracterizavam o protestantismo de imigração e protestantismo de missão, e quais os métodos utilizados para a expansão protestante no Brasil a partir da segunda metade do séc. XIX.

Por fim, enfatizei as características da implantação do protestantismo em Sergipe como microcosmo para o entendimento da expansão nacional, visto que em ambas situações é grande a semelhança de métodos.

No syllabus desta página está expressa a EMENTA proposta para essa aula.

10 de março de 1557, o primeiro culto protestante das Américas.

Hoje completam-se 460 anos em que se celebrou o primeiro culto protestante no continente americano. Aconteceu no dia 10 de março de 1557, na ilha Serigy, hoje chamada de Ilha Villegaignon, localizada na Baía da Guanabara, atual estado do Rio de Janeiro.http://sergipano.blogspot.com.br/

A expedição francesa determinada em estabelecer no Brasil uma colônia de tradição huguenote (protestantes franceses) aportara em terras brasileiras no dia 11 de outubro de 1555, era a chamada França Antártica.

Logo depois, da França e de Genebra foram enviados pastores protestantes de tradição reformada, sob a orientação de João Calvino. Com o apoio dessa equipe de reforço espiritual a nova colônia reunira-se no dia 10 de março de 1557 para prestar o primeiro culto protestante das Américas. Da cerimônia reformada constou a exposição bíblica do Salmo 27.4, o cântico do Salmo 5 em métrica genebrina e ministração da Ceia do Senhor (distribuição de pão e vinho consagrados como corpo e sangue de Jesus Cristo, segundo suas ordenanças registradas nos Evangelhos).

Mas essa celebração religiosa ocorrida em terras tropicais tem muito mais a dizer para a história da religiosidade protestante.  Ela foi ponto de partida para intrigantes acontecimentos. No arquivo do blog SERgipano podem ser resgatados três registros. Eles dão conta

  1. Registro litúrgico do primeiro culto protestante nas Américas;
  2. As primeiras discordâncias teológicas nas Terras de Vera Cruz, motivadas pela interpretação dos elementos representativos do corpo e sangue de Jesus Cristo na Santa Ceia, reverberando tema recentemente discutido na Europa, por meio do qual se estabelecera distinção entre romanistas, luteranos e reformados;
  3. As intenções ocultas de Villegaignon, que se fazendo protestante em França, declarava-se seguidor de Roma em Brasil.
  4. A prisão de 4 huguenotes (Jean du Bourdel, Mattieu Vernueil, Pierre Bourbon e André la Fon) que não conseguiram retornar em tempo para a Europa e foram presos quando o navio que os levaria naufragou no Rio de Janeiro;
  5. 3 dos náufragos foram condenados à morte (André la Fon fora poupado por exercer o ofício indispensável da alfaiataria). Presos, tiveram 12 horas para, sem auxílio de livros de consulta, produzirem um documento que declarasse sua fé. O resultado foi a confecção da Confissão de Fé da Guanabara, o primeiro documento teológico das Américas, claramente articulado em argumentação lógica de fundamentação bíblica.
  6. O sacrifício dos chamados Mártires da Guanabara. Mattieu Vernueil e Pierre Bourbon foram lançados de alto penhasco rumo ao mar. Jean de Bourdel (também chamado Jean de Balleur/Bollé ?) conseguira escapar da prisão.
  7.  Por estas ações, Villegaignon passou a ser conhecido como o Caim das Américas.
  8. O papel ignóbil de José de Anchieta prontificando-se a ser carrasco do mártir Jean de Bourdel, que fora descoberto e preso em Salvador, sendo transportado para a capitania de São Vicente, onde Anchieta sustentou a corda em seu pescoço. Este ato sem misericórdia tornou Anchieta o Algoz de São Vicente.Confira essas postagens:

UMA HISTÓRIA DE FÉ POUCO CONTADA: Por ocasião dos 451 anos da França Antártica

França Antártica: 452 anos do primeiro culto das Américas

O Caim das Américas, o Algoz de São Vicente e os Mártires da Guanabara

 

Confira outras postagens do Blog SERgipano

REFORMA500: 2º Ciclo de Estudos do GPCOR/UFS

Entre as muitas reflexões provocadas pelos 500 anos da Reforma Protestante, assumindo 31 de outubro de 1517 como marco histórico, estará o 2º Ciclo de Estudos do GPCOR (Grupo de Pesquisa Correlativos: Estudos em Cultura e Religião) vinculado ao Núcleo de Pós-Graduação em Ciências da Religião da UFS.

Confira o cartaz e leia a seguir a programação. O evento é gratuito com certificação emitida pela Universidade Federal de Sergipe.

Para fazer sua INSCRIÇÃO clique aqui

Este que vos escreve apresentará Comunicação no dia 15 de março. Ver-nos-emos  lá.

2-ciclo-gpcor

O 2o Ciclo de Estudos do GPCOR visa publicizar resultados de atividades de ensino, pesquisa e extensão promovidas por meio do Grupo de Pesquisa Correlativos: Estudos em Cultura e Religião (GPCOR), que integra a Linha de Pesquisa Fundamentos e Críticas das Ideias Religiosas do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da Universidade Federal de Sergipe.

O tema “Reforma Protestante, 500 anos depois: fontes e repercussões” alude ao marco do início da reforma religiosa empreendida por Martim Lutero, quando da publicação das 95 teses contra a prática de indulgências, em Wittenberg, Alemanha, em 31 de outubro de 1517. Do ponto de vista histórico, esse evento se tornou axial para as profundas transformações sociais e políticas que marcaram a Europa a partir do século XVI. Continuar lendo REFORMA500: 2º Ciclo de Estudos do GPCOR/UFS