Minicurso PLATÃO LEU MOISÉS

No dia 07 de novembro de 2018 participei da V Semana Acadêmica da UFS, realizada no campus São Cristóvão. Entre a vasta programação desenvolvida por alunos e docentes, tive o privilegio de compartilhar o minicurso Platão leu Moisés: influências da teologia mosaica na filosofia platônica, segundo Judá Abravanel (Leão Hebreu). A temática proposta objetivou tratar de um aspecto de minha pesquisa sobre este celebrado filósofo judeu da Renascença.

Em sua obra Diálogos de Amor, Leão Hebreu apresenta uma reflexão de singular importância: as obras filosóficas de Platão, sobretudo Timeu e O Banquete, quando lidas sob a ótica da mística cabalística, demonstram que a filosofia platônica está fortemente influenciada pela teologia judaica, conforme a sabedoria expressa nos livros de Moisés.

 

Na aula desenvolvida também consideramos que Leao Hebreu nao foi o primeiro pensador a propor influencias das Escrituras do Antigo Testamento na filosofia de Platao. No entanto, em Diálogos de Amor, seu autor apresentou forte argumentação, tudo considerado sob a ótica da sabedoria mosaica e da Cabalah.

O syllabus do minicurso pode ser conferido neste link.

 

OMNIA EX UNO

 

2º SINACRIPTO: Comunicação aceita

PARA CONHECER O 2º SINACRIPTO

Recebo com satisfação a notícia de que foi aceita a Comunicação que pretendo apresentar durante o 2º Simpósio Nacional de Estudos Criptojudaicos (SINACRIPTO), a realizar-se de 19 a 21 de junho de 2017, na Universidade Federal de Sergipe.

Na ocasião exporei o tema “LEIA A BÍBLIA E FAÇA ORAÇÃO: A RELIGIOSIDADE TEOSÓFICA DOS JUDEUS CABALISTAS NO SÉC. XVI“. Eis o resumo do que se propõe comunicar:

Este trabalho propõe expor as principais ênfases que marcavam a religiosidade teosófica dos judeus cabalistas no séc. XVI, os quais faziam do estudo de passagens específicas da Torá um método para encontrar significados cabalísticos profundos em sua relação com Deus, fonte primordial da existência. Extraídos esses significados, os fiéis eram conduzidos à prática de orações de sentido místico, esotérico, por meio das quais o judeu cabalista ascendia a esferas superiores do sefirot, ali provocando o descenso de emanações divinas, cujas energias favoreciam a vida do piedoso que as invocasse. Assim, essa investigação busca entender o ethos sefirótico que marca a religiosidade do judeu cabalista, levando-o a crer que possui um total controle de sua vivência terrena, quer pela interpretação da Torá ou pelo exercício de orações sagradas.

A Comunicação será apresentada no Simpósio Temático “Impactos socioculturais da religião e do misticismo”,  conduzido pelos Msc Nilton Santana e o mestrando Genisson Melo (PPGCIR/UFS).

Clicando AQUI você verá mais sobre este importante evento, conforme já divulgado noutras postagens.

AD ASTRA PER ASPERA